Você já ouviu falar em inteligência competitiva?

7 processos que podem ser otimizados com o uso de um sistema ERP
20 de dezembro de 2017
Gestão de dados: como usá-la a favor?
3 de Janeiro de 2018

A concorrência em algumas áreas é brutal e em todas é crescente e constante. Sem o estabelecimento de práticas e processos para que a representação competitiva aumente, uma empresa pode rapidamente sucumbir ao mercado e suas necessidades.

As organizações que apostam na inteligência competitiva conhecem não somente o seu interior e o mercado melhor. Também sabem mais sobre os concorrentes do que saberiam se não adotassem tal método de potencializar o planejamento estratégico.

Veja agora o que é o conceito, como ele pode revolucionar um empreendimento e porque ele deve ser aplicado. Leia e fique à frente.

O que é inteligência competitiva?

A ideia principal é a reunião do máximo de informações possíveis a respeito de outros negócios para estabelecer estratégias tanto de ações quanto de reações. O ponto chave é a reunião proativa de dados sobre o comportamento da concorrência, dos clientes e do mercado complexamente — mesmo que de forma segmentada.

Então, a partir das tendências percebidas, a empresa poderá pensar em estratégias a curto e longo prazo para tomar decisões corretas e bem cabidas, destacando-se das demais. E essas forma de sobressair-se pode ser tanto fazendo algo quanto freando uma atividade.

O objetivo aqui é orientar as metas e planejamento por fatores obtidos através de análise, ao invés de trabalhar com abstrações ou fatores reais que não representem efetivamente uma vantagem competitiva.

Estimativas nem sempre são ruins, mas podem passar longe da realidade sem um embasamento forte. E não basta ter apenas quantidade de dados, mas também qualidade e sustentação neles.

Quais perguntas devem ser feitas para estabelecer o processo?

Em um primeiro momento, o foco deve ser conhecer os concorrentes, fazendo perguntas como:

  • Quais são as estratégias de marketing?
  • Em quais clientes eles focam?
  • Como têm desenvolvido os principais indicadores?
  • Quais são os processos da concorrência? Eles são mais eficientes? Por quê?

Após isso, é necessário explorar outros aspectos que dão uma boa visão do mercado e dos fatores que levam uma marca a se destacar:

  • O que faz com que os clientes escolham uma organização em detrimento de outra?
  • O que incentiva o consumo e quais estratégias de marketing são eficazes na sensibilização em determinado ramo de atuação?
  • Quais flutuações do mercado beneficiam uma empresa e a destacam dos concorrentes?

Como a técnica pode ser utilizada para potencializar a lucratividade?

Nos tempos de crise, a Teoria da Evolução também se aplica aos negócios: o mais adaptado sobrevive. Porém, não é aquele que apenas tem os melhores resultados no presente ou maior abrangência de mercado. É o empreendimento que melhor responde às variações mercadológicas.

Por isso que a inteligência competitiva é tão importante. Pois observando atentamente as mudanças do meio, empresários e gestores podem identificar oportunidades e ameaças antes da concorrência.

Assim, esses administradores conseguem ser pioneiros no lançamento de novidades e também os primeiros a abandonarem uma ideia quando ela não mais gerar resultados. Essa linha de pensamento e ação empresarial também permite que a organização esteja sempre liderando as principais tendências do mercado e atenda às mudanças constantes do comportamento de consumo.

A inteligência competitiva já é aplicada no seu negócio? Se sim, está dando resultados? Comente brevemente conosco sobre as ações e motivações.

Deixe uma resposta