Por que Apple e TI não se entendem?

Gilberto Mautner, da Locaweb: “Crescer é bonito, mas difícil”
3 de fevereiro de 2013
SAP aposta nos empreendedores para fomentar o crescimento e a inovação
4 de fevereiro de 2013

Os dispositivos da Apple são suportados em nove de cada 10 empresas de acordo com pesquisa da InformationWeek EUA, mas a TI precisa aprender a gerenciá-los com mais eficiência e segurança.

Nossa pesquisa Apple Outlook é incisiva: mais de 90% dos 331 tomadores de decisão de TI que entrevistamos oferecem suporte a iPhone e iPad ou o planejam oferecer. Ainda mais surpreendente é que mais de 80% deles oferece ou planeja distribuir laptops e desktops Mac. O tipo de mudança que isso representa não pode ser descrito com exagero – até pouco tempo, a presença da Apple no mundo corporativo, fora dos mercados centrais, era insignificante.

Mas a TI está realmente a bordo ou apenas cedendo à pressão de usuários apaixonados por seus iDevices?

A julgar pelos comentários negativos de tomadores de decisão sobre laptops, desktops e dispositivos móveis, que responderam à pesquisa da InformationWeek EUA, há razões para acreditarmos que a TI adoraria voltar aos velhos tempos de compras de hardware de cima à baixo.

“Os produtos da Apple são legais, mas não são exatamente apropriados para o uso corporativo porque não temos formas de garantir a segurança”, disse um entrevistado. “A Apple demora a lançar atualizações de segurança para ameaças conhecidas. Seus produtos são ótimos para o uso doméstico e pequenas empresas, mas eles têm uma abordagem ultrapassada sobre segurança que não é aceitável para as empresas Fortune 500.”

Até que a Apple possa oferecer funcionalidades competitivas de gerenciamento, incluindo integração completa com Active Directory, Group Policy e Exchange, “os produtos não serão a primeira opção da TI”, disse o diretor de TI de uma empresa de saúde.

Essa atitude também se mostra em data center. Quando a Apple cortou, de repente, a linha Xserve, há dois anos, os profissionais de TI tiveram a prova de que a Apple não poderia ser uma parceira de negócio confiável. E não houve muita mudança desde então.

Nossa pesquisa enfatiza que a TI ainda não se entusiasma em ter dispositivos Apple no data center. Não surpreende que 64% dos entrevistados tomadores de decisão de TI não tenham servidores Apple, mesmo que a Apple ainda venda produtos para as linhas Mac Pro e Mac Mini.

A Apple parece ter “abandonado consumidores de longo prazo em um esforço para mergulhar de cabeça no mercado de dispositivos móveis, e tivemos de reavaliar nossos planos de longo prazo para hardware e software de acordo com isso”, avaliou um coordenador de serviços de educação. O novo software da Apple é “amador” se comparado com ofertas anteriores, apontou, observando que a Apple está mudando seu sistema operacional para parecer e funcionar como iOS. “Piorou ainda mais a situação depois de terem ido contra a maré por tanto tempo.”

A corrida final para o usuário final

Talvez, por saber que abalou seu relacionamento com a TI, a Apple esteja focando tanto no marketing para usuários de negócios. Os resultados da pesquisa, que também incluiu 243 usuários finais, sugerem que os Macs e os iDevices estão nas empresas porque os usuários – não os gerentes de TI – gostam deles. Quase metade dos entrevistados acha que os produtos da Apple são caros demais para o valor que oferecem. Eles avaliaram o custo dos dispositivos entre “fraco” e “justo”, e seu valor apenas “justo”.

Usuários finais avaliaram os produtos Apple entre “bom” e “excelente” em design, facilidade de uso, confiabilidade e inovação. Quando perguntamos o que direcionava o suporte aos produtos Apple nas empresas, a principal resposta foi “demanda do usuário final”, citada por 65% dos gestores de TI, apenas 32% disseram facilidade de uso.

Não é coincidência que o interesse da Apple em hardware de data center tenha diminuído conforme o iPhone começou a ultrapassar o Mac, tanto em vendas quanto em receita. As margens de lucro da Apple com seus desktops e laptops são de dar inveja na indústria, mas as vendas e o lucro dos dispositivos iOS, hoje, definham os números de laptops e desktops. As vendas de Macintosh, como porcentagem de renda total, caíram para menos de 20% e é bem provável que esse número caia para menos de 15%. De qualquer forma, as vendas do Mac continuam sólidas, e a Apple vê um número surpreendente de trimestres quebrando recordes enquanto os concorrentes sofrem com vendas estagnadas. As vendas de desktops e laptops Apple cresceram 5,4% no último trimestre do ano passado, nos EUA, em comparação ao quarto trimestre de 2011, de acordo com estimativas preliminares do Gartner. O número total de vendas de PCs caiu 2,1%, nos EUA, no mesmo trimestre, em comparação com o igual período do ano anterior, com alguns concorrentes passando por grandes quedas. As vendas de unidades Dell caíram 16,5% no último trimestre de 2012, e a Acer assistiu a uma queda de 21,6%.

A Apple pode não estar presente nas salas de servidores, mas está se agitando no lado do usuário. A Forrester prevê que a Apple deva vender US$ 7 bilhões em Macs e US$ 11 bilhões em iPads para empresas, este ano, e US$ 8 bilhões e US$ 13 bilhões, respectivamente, em 2014.

A saúde financeira da Apple é inigualável, com lucros crescendo ano após ano em magnitude, margem e como proporção nos mercados em que compete. O lucro da Apple de US$ 41.9 bilhões, nos últimos quatro trimestres, é mais do que o dobro do total de lucro da Acer, Asus, Dell, HP, IBM, Intel e Lenovo juntas.

A Apple usou parte de sua enorme reserva para criar uma máquina perfeita pra entregar produtos da melhor qualidade para os consumidores – seus executivos e outros usuários finais – e suportar esses produtos com atenção aos detalhes e execução insuperável. Não é a toa que a percepção de usuários de equipes de TI corporativa pode sofrer em comparação com uma parada no Genius Bar, da Apple.

A fabricante cometeu erros ao longo do caminho, como foi o caso do precário aplicativo de mapas, e equívocos que levaram à queixas sobre alguns desenvolvedores de aplicações para iPhone que, inapropriadamente, coletavam informações de contatos dos usuários. Mas a maior parte dos dados mostra uma operação extremamente bem executada.

Portanto, sua frota de iDevices não deve perder suporte. Essa é uma boa notícia. A notícia ruim é que a Apple tem pouco incentivo financeiro para suprir as necessidades corporativas, em que custos e complexidade tendem a ser mais altos e os lucros mais baixos do que no mercado premium de consumidor que domina.

Fonte: http://informationweek.itweb.com.br/12592/por-que-apple-e-ti-nao-se-entendem/