Qual a importância da gestão de qualidade na indústria?

Relatórios
Como os relatórios de ERP ajudam no controle financeiro da empresa?
22 de julho de 2019
Gestão de qualidade na indústria

A gestão de qualidade na indústria é uma medida importantíssima para a conquista de vantagens competitivas no mercado. No Brasil, a cultura de monitoramento e controle dos produtos e serviços ainda não está bem consolidada de acordo com os padrões internacionais. Por isso, sua empresa deve prestar bastante atenção em algumas normatizações de órgãos de padronização multinacionais, como o ISO 9001.

Nele, foram descritos oito pilares de gestão de qualidade aplicáveis a indústrias de todos os ramos, desde os têxteis até a tecnologia da informação. Por isso, preparamos um artigo explicando a importância de cada um deles e quais medidas podem ser tomadas pela sua empresa. Acompanhe!

Quais são os oito pilares da gestão de qualidade na indústria?

1. Foco no cliente

O foco no cliente é o primeiro lugar, pois realmente é a fundação, a base, de qualquer estratégia bem-sucedida dentro de um negócio. Não adianta ter vários processos de controle de qualidade se, ao final, você não entrega exatamente o que o cliente precisa. Deve solucionar as dores que motivam a compra de um produto ou a contratação de um serviço com um atendimento satisfatório e completo.

Portanto, este pilar prediz que as empresas devem desenvolver metodologias para entender os seus clientes e que suas entregas os atinjam no momento certo com a solução correta. Assim, além de atender às demandas, você pode exceder as expectativas, o que certamente gera um engajamento muito mais significativo. Daí, surgirão várias outras oportunidades para fidelizá-lo, aumentar a lucratividade e crescer o volume de vendas.

Então, durante as etapas de controle de qualidade, você poderá tomar medidas importantes, como fazer um checklist com os objetivos dos clientes em cada projeto ou criar interações com eles, constantemente, para gerar feedbacks para a melhoria da qualidade do produto a cada etapa.

2. Liderança

Um time sem liderança é um time sem um norte, no qual cada colaborador age por conta própria sem saber se o seu trabalho está contribuindo para o todo. Assim, esse segundo pilar tem como objetivo dar uma direção a seu negócio, garantindo que cada projeto tenha metas e objetivos claros. Assim, em cada tarefa, eles poderão estar engajados com a realização precisa do escopo dos projetos.

Para a gestão da qualidade, isso representa um maior nível de envolvimento e motivação por parte dos funcionários, com a finalidade de satisfazer as necessidades dos clientes. Afinal, a experiência com gestão de pessoas tem mostrado que, quanto mais cada colaborador é lembrado da sua função para o todo, mais ele produz, e o responsável por essa tarefa certamente são os líderes, nas figuras dos gestores e gerentes.

3. Envolvimento do pessoal

Toda a gestão de qualidade refere-se a processos de eficiência e eficácia, uma vez que projetos bem geridos obtêm uma série de benefícios, como redução de custos, consistência de entregas, redução do desperdício e promoção da otimização contínua. Isso se traduz em um melhor desempenho, e, com isso, você conquista a confiança dos seus clientes.

Assim, trabalhe para que cada colaborador seja responsável pela conferência da qualidade de seu próprio trabalho, deixando suas funções bem definidas.

4. Abordagem por processo

Os processos são sistematizações do fluxo de trabalho para que todas as ações sejam executadas uniformemente por todos os funcionários. Desse modo, evita-se que dois colaboradores façam a mesma tarefa com níveis de qualidade muito diferentes.

Com isso, cada atividade terá um início, meio e fim, que é justamente o controle de qualidade. Além de trazer mais eficiência, este pilar acelera os projetos, pois as pessoas não precisam ficar o tempo inteiro questionando-se a respeito do próximo passo.

5. Abordagem por sistema de gestão

As diretrizes da ISO estabelecem que este pilar serve para a orientar a gestão como sistema de identificação, compreensão e gerenciamento de processos que se inter-relacionam constantemente. Assim, os processos não devem ser vistos individualmente, mas como um todo, cujo objetivo principal é um gerenciamento de qualidade eficiente.

6. Melhoria contínua

De acordo com este pilar, a otimização perene deve ser sempre um dos principais objetivos de uma empresa. Assim, a sua companhia ganha cada vez mais capacidade de abraçar novas oportunidades, além de ter mais espaço para a flexibilização organizacional.

Consequentemente, diante de crises econômicas, enquanto os seus concorrentes precisarão arrumar a casa para manter o nível de qualidade, você poderá estar pensando em investir mais em ações estratégicas, como marketing e desenvolvimento de produtos.

7. Decisões formadas com base em dados e fatos

Com as várias ferramentas de Business Intelligence e Big Data, não dá mais para confiar somente em critérios subjetivos, como intuição dos executivos, para a tomada de decisões. Afinal, o ambiente digital oferece vários dados que permitem identificar exatamente as dores dos seus clientes, assim como o melhor momento para abordá-los.

Além disso, vários insights sobre o seu próprio negócio podem ser obtidos por meio de relatórios, métricas, indicadores etc. Consequentemente, você será capaz de melhorar a qualidade de seus processos e de suas entregas com base em fatos.

8. Relação de parceria com fornecedores e usuários

Por fim, temos o pilar da cadeia de suprimentos, para promover um relacionamento saudável com seus fornecedores. Isso é essencial, pois vocês mantêm uma relação de interdependência.

Assim, ambos devem buscar contribuir com a qualidade do outro para manter um ciclo virtuoso. Para isso, várias medidas podem ser postas em prática, como criação de canais de comunicação para feedbacks contínuos, monitoramento de pedidos e ofertas etc.

Quais são os benefícios da gestão de qualidade?

Melhor desempenho

Como todos os processos estarão organizados em fluxos de trabalho focados na qualidade, há um incremento substancial no desempenho das equipes. Afinal, esse modelo de gestão reduz o número de retrabalhos, visto que todas as partes têm de se engajar no monitoramento do nível das suas próprias entregas.

Satisfação do cliente

Com produtos e serviços que atendem ao máximo ao escopo de seus projetos, além de tocar diretamente em suas dores, os clientes ficam muito mais satisfeitos. Grande parte das reclamações de um cliente está relacionada com a quebra de suas expectativas iniciais.

Consistência dos produtos

A consistência garante que a indústria ofereça o mesmo nível de qualidade em cada projeto que conclui. É muito frequente que os clientes reclamem de que o projeto ou o produto de outrem tenha ficado melhor do que o dele.

Portanto, com a gestão de qualidade, a sua indústria atinge um padrão de excelência internacional, o que gera satisfação do cliente e abertura de novos mercados para você atuar. Infelizmente, no Brasil, ainda não foi consolidada a cultura de padronização técnica como nos países desenvolvidos. Por isso, não deixe de investir nessas medidas e atingir um novo patamar!

Quer conhecer mais dicas para melhorar a gestão do seu negócio? Então, não deixe de ler o nosso post sobre a gestão da demanda!