Custo de Mercadorias Vendidas: o que é CMV?

Por que automatizar os processos de compra da sua empresa?
1 de junho de 2017
CRM para vendas: por que todo time campeão deve utilizá-lo?
9 de junho de 2017

O planejamento financeiro é um item essencial para a saúde e sucesso de um negócio e, ao mesmo tempo, um grande desafio para os empreendedores. Lidar com normas e parâmetros contábeis e econômicos é uma habilidade que muitos consideram complexa, no entanto é muito importante ficar sempre atento às finanças da empresa, analisar custos, lucros e perceber se a conta está fechando no fim do mês.

Entre as muitas definições que ocupam a mente de um dono de um negócio, um conceito pode estar passando batido: o CMV, que significa custo de mercadorias vendidas. O CMV é uma despesa que muitas vezes é ignorada pelo empreendedor na hora de fazer as contas.

Para ter mais conhecimento sobre esse conceito, saber o que é CMV e o quanto ele pode ajudar o seu negócio se trabalhado da forma correta, continue a leitura!

Entenda o que é CMV

Muitas empresas calculam seu lucro diminuindo o faturamento das despesas dentro um determinado período. Contudo, existem outros custos escondidos que podem alterar esse cálculo.

O CMV diz respeito a todos os custos que são gerados para vender um produto, ou seja, despesas com matéria-prima, produção, transporte e até o armazenamento do produto em estoque até o momento da venda.

Essa lógica funciona tanto para um negócio que produz sua própria mercadoria como para aqueles que trabalham com revenda, ou seja, adquirem itens de outros fornecedores.

Uma vez que o empresário está ciente de que existe um CMV de cada produto, ele pode fazer um balanço financeiro mais preciso e ter uma noção real do lucro bruto da empresa. Produtos que permanecem em estoque também entram nessa conta. Afinal, eles tiveram um custo de produção, ocupam lugar no sistema de armazenamento e ainda não converteram em venda.

Veja como calcular o CMV e saber mais sobre o seu lucro bruto

Para fazer o cálculo correto do CMV, é preciso que a empresa tenha um sistema de controle de estoque, analisando o inventário em tempo real — diariamente, à medida que as mercadorias são vendidas — ou periodicamente, dentro do espaço de um mês, por exemplo.

Assim, some o valor de seu estoque inicial com as compras que foram feitas dentro do período analisado. Depois, subtraia o valor do estoque no final desse período. Vamos pensar que o período analisado é referente a um mês. Confira um exemplo essa conta:

  • No início do mês, você tinha R$ 2 mil em estoque (Estoque inicial).
  • No decorrer do mês, incrementou o estoque e gastou mais R$ 5 mil em compras.
  • No fim dos 30 dias, restaram R$ 3 mil em estoque (Estoque final).
  • Sendo assim: Estoque inicial (2 mil) + Compras (5 mil) – Estoque final (3 mil) = R$ 4 mil, o valor do seu CMV.
  • Dessa forma, se seu faturamento mensal foi de R$ 10 mil com esses produtos, seu lucro bruto foi de R$ 6 mil em um mês (menos o CMV).

Com base nesses dados, você entende que sua empresa tem um gasto de R$ 4 mil com as mercadorias. Se esse valor te surpreendeu, vale lembrar que esaa forma de cálculo se aplica a uma apuração do CMV dentro de um período, e não a cada venda.

Caso prefira fazer uma análise mais profunda a fim de entender tendências de vendas sobre seus produtos, você pode usar essa fórmula focada em um item por vez, de acordo com esse exemplo:

  • Seu estoque começa com R$ 2 mil em camisetas, por exemplo.
  • Em um mês, repôs o estoque e investiu mais R$ 2 mil nesse item.
  • No fim do mês, conta com R$ 1 mil em estoque.
  • Com um CMV de R$ 3 mil, se o faturamento foi de R$ 7 mil, as camisetas renderam um lucro bruto de R$ 4 mil.

​É importante ressaltar que o lucro bruto não inclui deduções de impostos nem dos custos fixos, como aluguel, gás, funcionários, comissões, por exemplo.

A importância de uma gestão de estoque eficiente

Como podemos ver, a simples inclusão do CMV no balanço financeiro do seu negócio traz muitos benefícios para a gestão da sua empresa. Isso porque ele pode servir como um alerta e apontar que existe, por exemplo, um problema de gastos em demasia com um produto ou um encalhe constante de algum outro item.

E para que o CMV seja seu aliado e te ajude a ter uma visão mais clara sobre o desempenho financeiro do seu empreendimento, um controle eficiente do estoque precisa ser incorporado no dia a dia da empresa.

Anote tudo e crie uma rotina

Crie um sistema de registros para controlar cada saída e entrada de mercadoria e verifique periodicamente os registros. Para que nada de errado aconteça, você precisará criar um processo, como treinar sua equipe a atualizar sempre o status de um produto disponível e o estoque.

Automatize processos com ajuda da tecnologia

Cálculos de estoque são detalhistas, e hoje em dia, com tantos recursos tecnológicos, não existe razão para se ater a métodos manuais, que podem gerar mais erros. Informatizar o controle do estoque com o uso de softwares é uma boa forma de ganhar tempo e investir em informações precisas, geradas automaticamente conforme a necessidade da empresa.

Existem outras formas de calcular o CMV, como, por exemplo, com base em um percentual sobre o faturamento. Toda essa matemática pode ser simplificada com o uso de um programa que gere dados de forma mais prática e segura.

Além disso, softwares centralizam atividades em um só local. Controle do estoque, histórico de vendas e distribuição de produtos são exemplos de ações que podem ser administradas dentro do mesmo sistema.

Diferentes departamentos como o marketing e o comercial também terão acesso às mesmas informações, podendo trabalhar de forma mais integrada e com maior sinergia.

Entender o que é CMV é fundamental para a saúde financeira e estabilização de qualquer empreendimento. Ademais, conhecer esse indicativo também contribui para que uma empresa consiga se planejar para expandir e crescer cada vez mais!

Gostou do nosso post? Aproveite para nos seguir na nossa página no Facebook e tenha acesso a novidades e mais conteúdos relevantes para o seu negócio!